sexta-feira, agosto 06, 2010

Como se mata uma conversa - parte 6

Local:
 Uma famosa loja de ferragens e acessórios menáge e ambientes circundantes ao lar...Uma loja que AKI nunca se poderia mencionar...

Local específico:
Assomo à caixa...e deparo-me com uma senhora de vários hectares, mal equilibrada no assento, já que a maior parte da sua área sobressaía e se projectava afora dos contornos de apoio...
A sua boca? Disforme, tal era a quantidade de comida mal amanhada e mal metida buraco adentro à pressa, que a fazia contorcer-se penosamente a trincar e a revolver aquela argamassa demorada....

Diálogo:
Finalmente, ao fim de largos segundos de movimentos maxilares forçados, se lhe irrompe a voz, mal urrada daquele bucal cheio:

- Credo, onde é que eu vou parar a comer desta maneira?!!!

- Ao Discovery Channel? - Respondi eu atónito.

Nojo:
Curiosamente, o rebate da minha saída, provocou-lhe uma gargalhada tal, que fragmentos de bolo (julgo ter sido bolo!) sairam balisticamente humedecidos e foram projectados para a bancada da caixa, a poucos centímetros de mim...Estaquei siderado!


Fim:
Ela, muito vermelha, atrapalha-se e balbucia aquilo que se entenderia por desculpas...
Eu...olho para o tecto, e trauteio um pouco de Vivaldi...

6 Reacções:

pinguim disse...

Ler isto às seis da manhã, compensa qualquer insónia.
Hydra no seu melhor...

Angelo disse...

Era bolo. Alimentar, como toda a certeza.

Kapikua disse...

A senhora até teve a capacidade de ser rir de si própria.

Por si só uma atenuante.

O lançamento de bolo alimentar é algo que acontece mesmo nas melhores famílias!

Grande abraço

Sonhos Milka disse...

LOL! Abraços maluco!

Someone disse...

Brilhante!!
Realmente a cura para qualquer estado de espírito menos bom xD

Mike disse...

Ouchh!!! :-)
Sorte a da senhora em o projectil ter ficado a centímetros de ti.
Ai se te acertasse!!!! :-)