quinta-feira, novembro 08, 2007

Hydra na Thalassa (Eu na água do mar!)

Uma das pérolas que encontrei a remexer no passado, foi este livro da Anita (Shiu...era da minha irmã!)...

Este livro, especialmente, desempenhou uma formação essencial nas minhas capacidades psicossomáticas e "Talássicas"!


A capa foi adaptada do L Word!

Eu passo a explicar...
Eu cresci com medo de água...ou de praia...
E tudo por culpa dos meus pais...mais do meu pai...!

Ir para a praia, para mim era um suplício....! O stress da minha mãe, exsudava aos 4 pontos cardeais...e eu pobre pequena esponja psico-intelectual, absorvia tudo de tal modo que para mim o ritual de ir à praia era o equivalente a ser atirado ao Coliseu e enfrentar os leões e aquelas pessoas sujas que lá metiam para entretenimento Romano.

A imagem da viagem de carro, ao Sol, com o meu pai a fumar...atravancados na ponte....está piro-gravada na minha mente, como uma tatuagem esbatida a dizer "Amor de mãe"!

A somar a isto tudo...a minha mãe, fanática pelo bronze (não a liga metálica!)...nunca queria levar chapéu de Sol...o que para mim significava um dia inteiro, na areia, debaixo de um fogo abrasador e como medo de ir à água...qual planta xerófila!

Sem chapéu...não havia a tal almejada protecção...logo a minha mãe besuntava-me...engordurava-me com protector solar...em camadas tais e de tal modo, que uma ligeira brisa a levantar grãos de areia, os colava todos em mim!

Antes da Brisa - "Aquela criança morreu, tá tão branca!"....
Depois da Brisa - "Olha um croquete com perninhas.... E cheira a côco!"...


Os meus pais, são dotados de uma total ausência de capacidade didáctica (Mas compensam noutras áreas)...Aliás a minha família é um cruzamento curioso entre os Grimaldi e os Simpson (outro post)!... E então...forçar uma criança a fazer algo do qual tem um medo atroz...é uma óptima terapia de recurso!

Como eu naquela altura era talassofóbico, o meu pai achava por bem pegar em mim avidamente e com afinco, qual Fátima Felgueiras nos fundos da Terra, correr comigo no ar...e atirar-me largos metros em frente dentro de água...
Isto quando, não me apanhava desprevenido à beira mar, qual quadro do menino da lágrima, pegava nos meus pezitos alvos, e zás.....de cabeça para dentro de água, suspenso pelos presuntos....
Um pouco como a história do Aquiles, mas em versão pobre!....
E nesses momentos, quando a minha cabeça entrava na água, daquele modo e daquela maneira veloz, o mundo todo passava-me numa total incompreensão em flash à minha frente...Um pouco como o programa da manhã do Goucha!

Foram muitos anos de trauma...até que descobri este livro na secretária da minha irmã (Shiu!)...
Passei a levá-lo comigo para a piscina, onde replicava o que lia....

Ultrapassei o trauma...hoje gosto de praia...e quase que sei nadar!

PS- Graças a Deus, que os meus traumas não envolvem um garrafão preso por uma corda a arrefecer na água...e um petromax!

19 Reacções:

fj disse...

Bemmmmm!!! demorei alguns minutos a ler, não por estar mal escrito, mas porque enquanto li, não parei de rir, (antes chorei a rir) ao ler o teu post,isto pq tb recordei uma cena igualmente semelhante, mas parece mal "compará.la" aqui ;)

***** (5 estrelas)

mik@ disse...

ahahah master mentor so me fazes rir... isto devia ter aviso do genero "este post pode provocar riso incontrolavel e possibilidade de fazer xixi na cueca / boxer".

eu sei que nao devia rir das desgraças dos outros, mas tu tens cada uma hydra...

a soluçao pra nos e trocar-mos de pais, queres?
os meus alem de me besuntar faziam-me tar debaixo do chapéu de sol. eu queria torrar um bocadito e quase caia o carmo e a trindade.
inda hoje tnh trauma por nao me deixarem brincar a vontade com o meu baldinho e a pá, e etc...

eu adorava agua.. mas nao!!! era uma gritaria pra eu sair de la, porque eu keria tar a vontade e mal tinha agua plo joelho a mnh mae ja pensava que eu me tava a afogar e metia-me pra tras...

a vida e injusta blog mentor....

medusasss disse...

Está hilariante!
Gostei especialmente da tua referência ao estado croquet, depois da brisa...
"como Aquiles, versão pobre"!!! Ahahahah
E nunca tiveste aventuras com as minhas primas, as alforrecas hurticantes?

miss gija disse...

estado de croquete é mto bom =X NOT!
eu não tinha pais assim...tinha uns primos mais velhos...tramados para fazer mal aos mais pequenos...era um verdadeiro massacre tb ;)

TheTalesMaker disse...

Depois da brisa, poderias ter dito algo mais. Com a brisa, o cheiro desloca-se, daí o cheiro a cócó ter-se feito notar mais, penso eu de que.

Jasmim disse...

Os teus posts estão cada vez melhores! Adorava os livros da Anita! Mas nunca tiveram um efeito tão significativo para mim... Adorei a descrição das idas à praia!

Lady Oh my God! disse...

hahahhahahahaha hilariante! eu ri-me mas ao mesmo tempo só penso: coitadinho, um miudo a esturrar ao sol, membros a ficarem estaladiços nas partes mais delgadinhas ts tststs tsts...esses pais estavam com a cabeça onde? ah pois, ao sol :D

Moii disse...

eheheh
...és um delirio!!!

;)

Hydrargirum disse...

fj: Muito obrigado pelas palavras simpáticas:) Podias ter comparado a tua situação:) Assim partilhávamos infortúnios do passado familiar:) lol

Mik@: Ooooh...Merci:) Queres trocar de família por uma semana?...E depois voltamos e escrevemos um post a relatar a experiência? lol:) Se calhar até corria muy bien...tipo Erasmus!:)

Medusasss: :):):) Obrigado:):):) Não...felizmente, nunca fui atacado ou assediado pelas tuas primas...senão a história tinha sido outra!lol

Miss Gija: oh...eu nunca tive primos...por isso não tenho aventuras dessas para contar..:(

TheTalesMaker: Eu disse Côco...o fruto...o cheiro do creme...não falei nessas coisas...lol

Jasmim: Mto obrigado...nem sei o que diga...agora fico envergonhado de cabeça baixa a chutar o chão, qual criança embaraçada!:)

Lady oh my God!: :):):):) Thank you Lady:)realmente a minha família...é um milagre que eu me tenha tornado tão bem formado!lol

Moii: Obrigado:) Toii aussi creio:)

mik@ disse...

ahaha taxe bem master mentor pode ser :)
vou de erasmus pa tua casa e depois vens tu pa minha :)mas tem de ser no verao....
inda hoje me stressa ir ca mnh mae a praia pk passa o tempo a ralhar por eu tar ao sol ...
(e eu ja sou maior... as vacinas e ke nao sei se tao em dia)

Hydrargirum disse...

Mik@: Ah sim...claro!!! Mas sabes que eu assim que dei o Grito do Epiranga, nunca mais fui à praia com eles...?....Revoltei-me e não ia...ganhei uma aversão aquilo...mas pronto...hoje vou lá por mim, com chapéu...e tudo nas minhas regras...sem stresses:)

Suspeita disse...

LOL!! Vocês eram assim uma espécie de Família Addams Portuga!! Muito bom!

Só faltava ao vosso lado ficar outro estereótipo de família portuga e que é aquela que leva ensopados, garrafões de vinho e a avó, que fica o dia todo debaixo do toldo a fazer renda!

Hydrargirum disse...

Suspeita: É triste não é!lol...Mas é precisamente a isso que eu me refiro no PS...com o garrafão e o petromax...a esse estereótipo familiar curioso...a família feliz (ou não) debaixo do toldo...que imagem tão linda...tão praia da Nazaré, não achas?lol

Suspeita disse...

Tão praia da Nazaré, tão Tróia e tão praia da Figueirinha (em Setúbal)!! São as minhas grandes referências e foi aqui que percebi o verdadeiro significado de levar a casa ás costas!!

Brama disse...

É curioso mas é verdade ... tive um medo da praia semelhante ao teu ... pânico mesmo de me aproximar da água e ... no meu caso, o meu desavergonhado, já falecido tio, fazia-me exactamente o mesmo que o teu pai te fazia ... pegava em mim e contra toda a minha incessante luta e desenfreada resistência, atirava-me ao mar ... um pânico indiscritível ... lembro-me que eles ficavam todos na praia a troçar e minimizar o meu medo ... eu ficava o mais longe possível, perto da csita de praia dos meus tios a olhar o mais afastado possível, para poder refugiar-me em casa, se eles atentassem contra a inha integridade ... depois, curiosamente aprendi a nadar sozinho, na piscina olímpica e qual não é o meu espanto, passado pouco tempo já saltava de cabeça da prancha dos 3 metros e de pé da plataforma dos 10 metros ... o mais curioso de tudo é que agora jamais o faria, mais tarde voltei a tentar e só o subir as escadas e avistar a água lá de cima, dá-me umas vertigens assustadoras ... é muito engraçado como evolui o ser humano

Hydrargirum disse...

Suspeita: Nem mais:):):) É daquelas situações que marcam uma pessoa sociologicamente para a vida toda!lol

Brama: Tb tens uma história quasi-dramática, nestas aventuras aquáticas! Mas foste mais longe que eu...em piscina olímpica, e em saltos de pranchas...eu não sou, nem nunca fui capaz...quer dizer, pelo menos de cabeça....um salto normal acho que seria capaz...acho....Ai pá!!! a famíliaa......

Pearl disse...

LOLOLOLOL
Eu não aguento ctg!
Tenho que começar a ler o teu blog sozinha em casa, e com paredes à prova de som, ou julgar-me-ão louca!!!
Adorei a referência ao quadro do menino da lágrima... LOL
Eu adoro água e mar, mas tenho muito respeito... com isto quero dizer que nunca viro as costas ao mar, a menos que esteja no mar morto!!! LOL
Sim, sempre soube que os livros da anita eram verdadeiros manuais de vida!!!
Por exemplo o anita vai ás compras, é um exemplo para qualquer mulher que já desde tenra idade aprende a esvaziar a carteira!! LOL

:o)))***

Hydrargirum disse...

Pearl: Mto obrigdo pelas tuas simpáticas palavras:) Fico sempre muy contente com os teus comments:) Dá-me gosto saber que o meu "input cibernético" te dá momentos de alegria:) O quadro do menino da lágrima é um clássico....lol
Sim, a Anita, está base do movimento Girl Power....

:)****

Graduated Fool disse...

Lolololol.

Eu tenho esse livro da Anita. Olhava para ele e apetecia-me sempre ir para a praia, piscina, água, areia, toucas, fato-de-banho, tudo.